Sistema Press Club
sábado, 19 de janeiro de 2019
Consulte

WPK - Perfil de Fontes

WPK - Acesso Rápido

WPK - PROAGÊNCIA
Documento sem título
Galeria de Imagens - Patronos
Redes Sociais Facebook

Twitter

assessoria: LH Miranda
assessor: Luiz Henrique Miranda
e-mail: lhmiranda@pressclub.com.br
fone: 11 - 3873-5488
site: www.pressclub.com.br

- Para obter a imagem em alta resolução (300 dpi), clique em 'download' e salve o arquivo em seu computador ou clique em 'ver em alta' e siga as instruções.
- Para visualizar a imagem em tamanho real (alta resolução), clique em 'ver em alta'.
- Clique em 'enviar' e encaminhe a imagem por e-mail.


crédito: Divulgação


Francisco Antônio Paulo Matarazzo Sobrinho, mais conhecido como Ciccillo Matarazzo, (São Paulo, 20 de fevereiro de 1898 — São Paulo, 16 de abril de 1977) foi um industrial e mecenas ítalo-brasileiro.

Diretor de empresas de diversos ramos em São Paulo, foi grande incentivador das artes plásticas. Fundou, em 1946, o Museu de Arte Moderna de São Paulo e, em 1951, a Bienal Internacional de Arte de São Paulo, entidade que presidiu até a data de sua morte. Foi também também um dos fundadores do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) e dos estúdios da Companhia Cinematográfica Vera Cruz.

Foi também político, tendo sido prefeito de Ubatuba de 1964 a 1969, eleito pelo Partido Social Progressista (PSP). Passou por dois processos de cassação. O primeiro deu-se por sua saída do país sem autorização do legislativo. Como era presidente da Bienal de São Paulo, eram constantes suas viagens para o exterior, onde representava o país. Denúncias de irregularidades moveram o segundo processo de cassação, ambos sem êxito mantendo Cicillo a frente da prefeitura. Após esse desgaste político, em 1967, Cicillo solicitou afastamento, mas seu vice se recusou a assumir, passa então a ocupar o cargo de prefeito o presidente da Câmara, Fiovo Fredianni.

Casou-se com Iolanda Penteado.



crédito: Divulgação


mini-currículo não disponibilizado pela Academia Brasileira de Eventos


crédito: Divulgação


Caio Pompeu de Toledo, já falecido, foi Secretário Municipal de Esportes e Estadual de Esportes e Turismo. Homem caracterizado pelo espírito empreendedor, criou eventos que até hoje são importantes no calendário esportivo, como a Taça São Paulo de Juniores e o Passeio Ciclístico da Primavera. Idealizou e executou, ainda, programas de grande relevância, como o Adote um Atleta e as Ruas de Lazer.


crédito: Divulgação


Othon Lynch Bezerra de Mello (foto em baixa). Nascido em Limoeiro, Pernambuco, em 1880, começa a trabalhar aos 16 anos na empresa de onde o pai fora sócio. Em 1905, se estabelece como atacadista de tecidos, em Recife. Anos mais tarde, compra sua primeira fabrica de tecidos, uma fiação e uma tecelagem. Em 1939 muda-se para o Rio de Janeiro, para estabelecer vínculos com o sul do País. Hotelaria era uma antiga paixão. Nos anos 20, construiu um hotel para viajantes de tecidos em cima do seu armazém. Em 1943 iniciou sua rede hoteleira, na época chamada de Companhia Brasileira de Novos Hotéis, com o Hotel Aeroporto no centro do Rio de Janeiro. Em 1946 seguiu-se o Hotel São Paulo, na capital paulista e, tendo comprado seis terrenos na praia de Copacabana, começou a construir uma constelação de belos hotéis, projeto que teve continuidade com seus filhos após a sua morte, em 1949


crédito: Divulgação


Joel Andrade Lóes (foto em alta). Nasceu em Uberaba (MG) em 1934, onde atuou como locutor de esportes da Rádio Difusora FM e Sete Colinas. Após breve passagem por uma rádio do Rio de Janeiro, retornou à cidade natal para trabalhar no jornal O Correio Católico. Em 1967, ingressou no jornal O Estado de São Paulo, mais precisamente no suplemento de Turismo, atual Caderno de Viagem, onde atuou como repórter e fotógrafo, passando a editor e mais tarde a editor-chefe, cargo que ocupou até se aposentar. Após sua saída do jornal, durantes alguns anos se dedicou a projetos na área de Turismo, além da produção de artigos e matérias para revistas especializadas. Foi também editor do Jornal Panrotas, entre 1993 e 1997, ano de seu falecimento.


crédito: Divulgação


Magdala Castro (foto em alta). Nasceu em Niterói (RJ) e se graduou em Ciências Econômicas. Realizou cursos de aperfeiçoamento em Relações Públicas, Vendas, Publicidade e Marketing, e Administração Hoteleira na Cornell University (EUA). Presidente da Equipotel Feiras, Edições e Promoções Ltda., é figura bastante conhecida nos meios turísticos do País. Iniciou sua carreira profissional na década de 50, nos Serviços Aéreos Cruzeiro do Sul (hoje Varig) e, posteriormente, no departamento comercial das Rádios Mayrink Veiga e Mundial, onde teve seus primeiros contatos com a publicidade, de que se tornou entusiasta. Esse entusiasmo levou-a a fundar sua própria agência, responsável pelo lançamento do Hotel Trocadero, da cadeia Othon no Rio, em 1958. Vem daí o seu primeiro contato com a Hotelaria, que a levou a lançar a revista Othonews – house-organ daquela rede que viria a transformar-se, a partir do seu terceiro número, na revista Hotelnews, que este ano completa 45 anos de circulação. A partir daí, Magdala dedicou-se de corpo e alma à Hotelaria, acompanhando e colaborando estreitamente com a realização dos congressos e convenções da classe, apoiando e divulgando todas as suas iniciativas na revista e, mais tarde, criando a Equipotel – feira anual da maior importância para o setor hoteleiro, que fomenta o desenvolvimento e aprimoramento dos nossos hotéis, restaurantes e afins, mostrando a cada ano, com maior brilho, os novos e modernos equipamentos e produtos para o ramo. Sempre se cercou da família em sua empresa, em que suas quatro filhas são sócias - duas das quais em cargos de direção, com tanta responsabilidade e competência que há poucos anos Magdala pôde se aposentar totalmente.


crédito: Divulgação


Roberto Gheler (foto em alta). Ex-presidente do São Paulo Convention & Visitors Bureau, fundação sem fins lucrativos que tem como meta aumentar o número de eventos e negócios na cidade de São Paulo, de 1994 a 2004. Formado em Engenharia Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, atuou durante 30 anos nas áreas de projeto, construção, implantação, manutenção, comercial e de marketing dos Hotéis Eldorado e, mais recentemente, no Grupo Steinbruch. O empresário também faz parte da diretoria da ABIH - Associação Brasileira da Indústria de Hotéis - SP, e dos conselhos deliberativos da Associação Paulista Viva, da Associação Viva o Centro, da ADVB - Associação dos Dirigentes de Vendas do Brasil e do Hospital Albert Einstein.



crédito: Divulgação


Modesto Mastrorosa (foto em alta). O fundador da ABAV/SP era um pioneiro e um dos agentes de viagens da mais autêntica “velha guarda”. Antes de ter sua própria empresa, trabalhou na Breda e na Exprinter, em São Paulo, quando realmente descobriu as possibilidades do turismo, do qual era um dos mais fanáticos defensores. Sua agência, Tour Brasil, foi inaugurada em 1943 e especializou-se em turismo rodoviário, ao mesmo tempo em que organizava excursões marítimas à Europa, num tempo em que o avião ainda não havia conquistado seu espaço definitivo. Foi ele quem vendeu as primeiras passagens aéreas, tão logo elas passaram a ser comercializadas. A nona edição do Congresso da ABAV, em 1981, foi a consagração de Mastrorosa, pelo muito que realizou em favor da categoria e da atividade turística, de acordo com observadores da época.



crédito: Divulgação


Stella Barros (foto em alta).
A quem mais, se não a “vovó Stella”, os milhares de pais entregariam, confiantes, seus filhos para visitar a Disneyworld? Dona de uma formidável cabeça para negócios, capacidade de liderança e senso de organização, a filha de imigrantes portugueses, nascida na segunda década do século passado, trabalhou durante um ano e meio na Congoleum, e ali conheceu Caio Barros, o presidente da empresa no Brasil. Depois de um rápido namoro, casaram-se na Igreja de São Joaquim, no bairro da Tijuca, em 1934. No anos 50, pela primeira vez Stella Barros pensou em organizar viagens internacionais. Começou conduzindo, com sucesso, um pequeno grupo de adolescentes num cruzeiro à Argentina. Logo após o retorno, organizou a ida de um grupo ao Chile para um congresso em Vinã del Mar, uma viagem que se transformou no seu batismo de fogo. Em 1964, surgia finalmente a Stella Barros Turismo.Acabara de surgir um excelente nicho de mercado, que já havia começado a explorar e pretendia intensificar ainda mais: tratava-se das viagens para cursos de inglês em Miami, grande novidade na época. Ao mesmo tempo, passava boa parte do tempo viajando, conhecendo novos lugares, a fim de desenvolver outras opções de roteiros, como diversos países da ex-União Soviética e a China. Esse indiscutível pioneirismo comercial logo seria reconhecido. Stella Barros foi nomeada agente oficial do Brasil para os Jogos Olímpicos de Munique, realizados em 1972. A partir dessa primeira experiência, foi nomeada agente oficial para o Brasil de quase todos os Jogos Olímpicos. O prestígio conquistado em operações de tal envergadura permitiu se tornar também agente oficial para a Copa do Mundo e para os Jogos Pan-Americanos. No auge da escalada, em 1975, levou para Orlando 5700 passageiros, somente no mês de julho.O ano de 1976 começou com o prenúncio de quebra de mais um recorde. Calculava-se que a Stella Barros Turismo chegaria a levar 12 mil visitantes a Disneyworld. Nos anos seguintes, a empre


crédito: Divulgação


Abelardo Figueiredo (foto em alta). Abelardo Figueiredo nasceu em Niterói, em 1931. Pensava em ser embaixador, no início de sua carreira, mas acabou se dedicando à carreira teatral e à produção de espetáculos musicais. Foi secretário do Teatro de Arte do Rio de Janeiro e participou da montagem do Teatro de Alumínio e da criação do Balé do 4º Centenário, em São Paulo, juntamente com a atriz Nicete Bruno e vários expoentes da época. Posteriormente, passou a realizar espetáculos musicais na televisão, que logo alcançaram grande sucesso, entre os quais programas de muito sucesso e grandiosidade como Folias Philips e Noites de Gala, que reproduziam seus êxitos no Rio de Janeiro. Considerado o “Rei da Noite”, dirigiu várias casas noturnas durante muitos anos, entre elas Urso Branco, O Beco, Paladium e, por fim, Studium, onde lançou e apresentou grandes artistas nacionais. Também lançou na tevê o programa Revista Feminina, no horário vespertino. Abelardo viajou por todos os continentes com o show Meu Brasil Brasileiro, que encantou o mundo.


crédito: Divulgação


Juscelino Kubitscheck (foto em alta).
Presidente do Brasil (1956-1961), Kubitschek foi um dos mais importantes políticos brasileiros. Inaugurou um estilo de atuação inteiramente novo e caracterizou-se por construir em torno de si uma aura de simpatia e confiança. Nasceu em 1902, em Diamantina, Minas Gerais. Em 1922 ingressa na Faculdade de Medicina de Minas Gerais, onde se forma em 1927. Em 1930, parte para a Europa, especializa-se em Urologia na França e faz um estágio em Berlim. Participa da Revolução Constitucionalista de 1932, em defesa do governo constituído, como capitão-médico da Força Pública. Inteligente e culto, Juscelino inicia sua vida política na chefia de Gabinete do governador Benedito Valadares. JK assume a Presidência da República em 31 de janeiro de 1956. Sua administração foi marcada por um cunho modernizador e desenvolvimentista. Implantou seu novo programa de metas, apoiado pelo slogan "Cinqüenta anos em cinco". O Plano Nacional de Desenvolvimento, conhecido como "Plano de Metas", abrangia vários setores e estimulou o crescimento e a diversificação da economia. Executou o antigo projeto de mudança da capital e conseguiu que, em apenas 42 meses, fosse construída Brasília – a nova capital do Brasil. Inaugurada em 21 de abril de 1960. JK chegou ao fim do governo consagrado pelo povo. No entanto, em 1964 teve seus direitos políticos cassados e partiu para o exílio. Viveu em Nova Iorque e Paris até regressar ao Brasil em 1967, onde se voltou para a iniciativa privada e para a vida literária. Faleceu em 1976, em um trágico acidente automobilístico na via Dutra, perto da cidade de Resende (RJ).


crédito: Divulgação


Comandante Rolim Amaro (foto em alta). Nascido em 1942 na cidade de Pereira Barreto, interior de São Paulo, formou-se piloto comercial em 1963 e piloto de linha aérea em 1964, tendo ingressado na Táxi Aéreo Marília S/A com um único objetivo: ser o melhor comandante da companhia. Após deixar a empresa por algum tempo, foi voar no Araguaia, onde fundou sua empresa de aviação, que chegou a operar 10 aviões. Tornou-se sócio da TAM, convidado pelo amigo e proprietário da empresa, assumindo a sua direção. De lá para cá, a empresa não parou mais de crescer. Hoje, a TAM, com uma frota de 77 aeronaves em operação, conquistou a liderança do mercado aéreo nacional. Iniciativas inovadoras do comandante Rolim Amaro marcaram a evolução da companhia e da própria aviação comercial brasileira. Com sua costumeira determinação, implantou o conceito do “espírito de servir”, que revolucionou a forma de tratar o cliente na aviação comercial, tornando-se referência no Brasil e no mundo. O respeito absoluto pelo cliente e a formação de equipes altamente motivadas e adequadamente treinadas encantaram os clientes da TAM e a transformaram em uma das empresas mais admiradas do país. Baseado nesses fundamentos e em um consistente planejamento estratégico, na decisão de investir continuamente em tecnologia e na expansão e modernização da frota da TAM, ele construiu, em pouco mais de duas décadas, uma das empresas mais bem-sucedidas do Brasil. O reconhecimento veio não apenas do público brasileiro, mas também, de especialistas daqui e do exterior, como atestam numerosos e valiosos prêmios conquistados pelo comandante Rolim, falecido em julho de 2001.



crédito: Divulgação


Manoel Figueiredo Castro (foto em baixa). Nascido em 1942, lecionou na Universidade de Salvador - Unifacs, entre 2001-2002 (Consultoria e Marketing Empresarial); na Escola de Administração de Empresas da Bahiatursa, entre 1974-75 (Instituições Financeiras e Administração Mercadológica), além de ter ministrado curso de Especialização para Técnicos em Desenvolvimento Turístico, promovido pela Sudene no mesmo período, e curso de Turismo para técnicos de nível universitário dos órgãos de Turismo da região Sul do país, promovido pela Universidade Federal de Santa Maria e Dudesul (RS), em 1973. É economista formado pela Universidade Federal da Bahia e diretor do Instituto dos Economistas da Bahia – IEBA, o atual corregedor do Tribunal de Contas do Estado da Bahia, Manoel Figueiredo Castro, foi deputado federal por 3 mandatos, tendo atuado com dinamismo na Assembléia Nacional Constituinte, em 1988. Foi também presidente da Comissão de Finanças e Tributação, no período de 1993 a 2000. Como prefeito e vice-prefeito da cidade de Salvador, colocou a serviço do interesse público toda a experiência acumulada como Secretário da Indústria, Comércio e Turismo do Estado da Bahia, assessor e diretor da Área Industrial da Construtora Norberto Odebrecht, diretor do Instituto dos Economistas da Bahia – IEBA e presidente da Bahiatursa.



crédito: Divulgação


Lourenço Mazzucca (foto em baixa). Homem pequeno, franzino, mas dotado de uma mente vivaz e de uma memória de quem muito viveu e cujas experiências merecem ser lembradas, Lourenço Mazzuca foi tesoureiro, vice-presidente e presidente por duas gestões da Asssociação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC), fundada no Rio de Janeiro, no Hotel Glória. Por dois anos, acumulou também a presidência da COCAL, entre 1988/89. Sua gestão à frente da ABEOC foi marcada pela luta contra as entidades que realizavam congressos sem o concurso de OPCs - Organizadores Profissionais de Congressos. Batalhou pela regulamentação da profissão, até que em 1984 Aureliano Chaves, presidente em exercício, assinou o Decreto 89.707, determinando que nenhum congresso poderia ser realizado no Brasil sem o concurso de um OPC.


crédito: Divulgação


Alberto Santos Dumont (Palmira, 20 de julho de 1873 — Guarujá, 23 de julho de 1932) foi um engenheiro prático (sem ter tido formação acadêmica nessa área) e pioneiro da aviação.
Santos Dumont foi o um dos primeiros a decolar a bordo de um avião, impulsionado por um motor aeronáutico. A maioria dos países do mundo considerarem os Irmãos Wright como os inventores do avião, por uma decolagem ocorrida em 17 de dezembro de 1903, com o uso de uma catapulta. Santos Dumont foi o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e da população parisiense. Em 23 de outubro de 1906, voou cerca de 60 metros e a uma altura de dois a três metros com seu 14 Bis, no Campo de Bagatelle em Paris. Menos de um mês depois, em 12 de novembro, repetiu o feito e, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros. O vôo do 14-Bis foi o primeiro verificado pelo Aeroclube da França de um aparelho mais pesado que o ar na Europa, e possivelmente a primeira demonstração pública de um veículo levantando vôo por seus próprios meios, sem a necessidade de uma rampa para lançamento. O 14-Bis teve uma decolagem autopropelida, e por isso Santos Dumont é considerado por parte da comunidade científica e aeronáutica e principalmente em seu país de origem, o Brasil, como o Pai da Aviação.
Herdeiro de uma família de cafeicultores prósperos na cidade de Ribeirão Preto; pôde se dedicar aos estudos da ciência e da mecânica vivendo em Paris. Ao contrário de outros aeronautas da época, deixava suas pesquisas como domínio público e sem registrar patentes.



crédito: Divulgação


Ruben Berta (foto em baixa). Ruben Martin Berta, conhecido como Ruben Berta, nasceu em Porto Alegre, em 1907. Aos 19 anos de idade, torna-se o primeiro funcionário registrado da iniciante Varig, companhia aérea fundada por Otto Meyer,onde fazia de tudo, até a varrição das dependências do escritório. Foram anos de labor e aprendizado, que o prepararam para assumir o comando da empresa, por ocasião da Segunda Guerra Mundial. Em 1941, Otto Meyer e Ruben Berta torna-se o principal dirigente da companhia. Assim, em etapas sucessivas, a malha aérea saiu do Rio Grande do Sul, estendendo-se dentro do País e também ao Prata. Por volta de 1950/60, amplia seus vôos aos Estados Unidos e Europa, passando de empresa de médio porte para empresa de âmbito internacional, competindo com várias companhias aéreas européias e americanas. Com o encerramento das atividades da Panair e da Real Aerovias, amplia sua malha aérea para Europa, USA e Oriente, tornando-se, então, uma empresa de aviação de renome internacional. Por outro lado, também preocupado com o seu grande número de funcionários, cria a Fundação Ruben Berta, gestora da Varig, com o objetivo de proporcionar a eles a segurança e estabilidade necessárias. Entretanto, em pleno vigor de suas atividades, o destino pregou-lhe uma peça, interrompendo, em 14 de dezembro de 1966, sua brilhante carreira.


 
 
Sistema Press Club® 1996-2007